Alagoas, 08 de março de 2021 24º min 30º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
SETOR ELÉTRICO

Aneel estuda como conter aumento das tarifa de energia no país

Reuters

23/02/2021 14h02

Consumidores temem energia elétrica mais cara em 2021
Agência BrasilConsumidores temem energia elétrica mais cara em 2021

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) criou um grupo para avaliar formas de conter um esperado avanço das tarifas de energia no Brasil neste ano sem desrespeitar contratos em vigor, disse nesta terça-feira (23), o diretor-geral do órgão regulador, André Pepitone.

A afirmação vem após o presidente Jair Bolsonaro ter dito no sábado que o governo pretende "meter o dedo" no setor elétrico, diante da expectativa de aumentos de custos para os consumidores.

"Estamos com um grupo estudando, temos que estudar de maneira abrangente as melhores ações, diversas propostas. Estamos conversando com o mercado", afirmou Pepitone, durante reunião semanal de diretoria da agência, transmitida online, ao destacar que haverá "respeito aos contratos".

"Não tenho dúvidas de que vamos conseguir, assim como fizemos em 2019, 2020, também encaminhar soluções para o ano de 2021. O país continuar sob pandemia, o consumidor continua fragilizado, temos que ser capazes de encontrar soluções".

Os diretores da Aneel lembraram que a agência já tem discutido a devolução de 50 bilhões de reais aos consumidores nos próximos cinco anos em créditos fiscais acumulados pelo pagamento indevido de impostos no passado. A medida será possível após decisões judiciais transitadas em julgado que apontaram como ilegal a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e Cofins nas contas de luz.

"Temos que ir limpando essas questões... mas não é suficiente, temos que buscar novas ações", disse Pepitone.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade