Alagoas, 01 de julho de 2022 23º min 26º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
OPERAÇÃO

Operação da polícia em conjunto habitacional no Rio fecha escolas

30/09/2015 09h09

Operação da polícia em conjunto habitacional no Rio fecha escolas

A operação Lar Doce Lar feita nessa terça-feira (29) no Conjunto Habitacional Haroldo de Andrade, do Programa Minha Casa, Minha Vida, em Barros Filho, zona norte do Rio, provocou o fechamento de seis escolas e oito creches e Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDI) do município do Rio, prejudicando as aulas de 4.300 crianças e adolescentes.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, além de três escolas de Costa Barros, as aulas foram suspensas também unidades de Guadalupe e da Pavuna, bairros próximos a Barros Filho. Pela manhã, a secretaria havia informado que o número de alunos atingidos era de 2.542, mas o número aumentou porque as atividades continuaram suspensas no turno da tarde.

A operação com policiais da 39ª Delegacia Policial (DP), da Pavuna, e 40ª DP, de Honório Gurgel, teve apoio de equipes dos departamentos Geral de Polícia da Capital (DGPC) e Especializada (DGPE) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core). Na ação os agentes cumpriram mandados de cumprir mandados de busca e apreensão em apartamentos invadidos para a devolução à Caixa Econômica Federal, entidade financiadora do conjunto habitacional.

A operação é um desdobramento do inquérito que apura a expulsão de proprietários dos imóveis do condomínio. Segundo o delegado Rui Barbosa, titular da 39ª DP, criminosos a mando do traficante Arafat expulsaram famílias das residências e deixaram aliados da quadrilha morando nos apartamentos. “Seis famílias foram encontradas nos imóveis e vão responder por esbulho possessório [retirada violenta do legítimo possuidor de um bem imóvel quer residencial, comercial ou rural] e, caso seja comprovada o envolvimento com o tráfico, podem ser indiciadas por associação para o tráfico de drogas”, disse o delegado.

O delegado da 40ª DP, Wellington Vieira, disse que os moradores tinham que pagar para os traficantes uma mensalidade a fim de poder permanecer no conjunto habitacional e os que não concordassem eram ameaçados a deixar os imóveis. “Eles recebiam o prazo de cinco dias para abandonarem a casa, não levarem nada, saírem com a roupa do corpo. E os que ainda moram lá, que estão sendo subjugados, também falam que aquilo lá é um inferno”.

O delegado afirmou ainda que foram apreendidos cinco mil formulários da Caixa Econômica Federal e do Programa Minha Casa, Minha Vida, que eram usados para legalizar a transferência dos imóveis para os invasores.  “Quinze pessoas envolvidas no crime já foram identificadas”, disse o delegado.

De acordo com a Polícia Civil, os imóveis foram interditados e as investigações prosseguem nas duas delegacias. Ainda na Operação Lar Doce Lar, os policiais apreenderam drogas como cocaína, crack, maconha e cheirinho da loló, além de munição.

Fonte: Agência Brasil

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade