Alagoas, 28 de janeiro de 2022 24º min 31º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Política

Barbosa volta ao Brasil nesta quinta

Presidente do Supremo teve compromissos e reuniões em Paris e Londres. Expectativa é que saia na semana que vem prisão de João Paulo Cunha

Do G1, em Brasília

30/01/2014 11h11

Barbosa volta ao Brasil nesta quinta

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, retorna ao Brasil nesta quinta-feira (30) após mais de uma semana de compromissos em Paris e Londres, onde se reuniu com juristas, autoridades e proferiu palestra sobre a Justiça brasileira.

O magistrado reassume o comando da Suprema Corte nesta segunda (3) e, até lá, quem ficará na presidência do tribunal será o ministro Ricardo Lewandowski, que é vice-presidente do STF.

Barbosa saiu de férias no começo de janeiro, mas interrompeu o descanso por conta da viagem internacional. Antes de deixar a função, decretou o fim do processo do mensalão para o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), mas não expediu o mandado de prisão.

Os ministros Cármen Lúcia e Lewandowski, que assumiram a presidência do tribunal provisoriamente por conta da ausência de Joaquim Barbosa, não tomaram nenhuma decisão sobre o caso.

A expectativa é de que uma decisão sobre a prisão de João Paulo só seja tomada na semana que vem, quando Joaquim Barbosa reassumir a função.

Durante a viagem, Barbosa chegou a criticar os colegas de tribunal por não terem assinado a ordem de prisão do parlamentar, mas ninguém se envolveu na polêmica.

Na Europa, Barbosa também comentou uma entrevista dada por João Paulo Cunha, que criticou a atuação do presidente do Supremo. O magistrado afirmou que não ficaria "de conversinha com réu" e afirmou que, na opinião dele, a imprensa dá espaço indevidamente a condenados.

Na quarta (29), durante palestra na Universidade King's College, em Londres, Barbosa falou sobre a situação dos presídios do Brasil – em 2013, 60 detentos morreram em uma penitenciária do Maranhão. O presidente do STF classificou as prisões de "inferno" e de "horror" e criticou a falta de investimentos públicos no setor.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade