Alagoas, 17 de novembro de 2019 25º min 29º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Política

Após invasões, Câmara quer restringir acesso de pessoas

Em reunião, líderes sugeriram mudanças para aumentar a segurança após invasões do plenário. Entre as sugestões, proibição de trânsito no Salão Verde e até restrição de trabalho da imprensa

Agência Câmara

22/08/2013 09h09

Após invasões, Câmara quer restringir acesso de pessoas

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, pediu à Diretoria-Geral da Casa que apresente, na reunião do colégio de líderes da próxima semana, proposta de mudanças logísticas para o acesso de pessoas às dependências da Câmara. “A intenção é evitar abusos”, afirmou Alves, após reunião de líderes que discutiu o assunto, nesta quarta-feira (21). 

A proposta também poderá conter outras ações preventivas com o intuito de evitar episódios como o de ontem, quando manifestantes favoráveis à votação da PEC 300 – que cria piso nacional para policiais e bombeiros – e manifestantes contrários e favoráveis aos vetos do projeto do Ato Médicoinvadiram o plenário da Câmara.

O líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), defendeu maior controle do trânsito de pessoas dentro da Câmara. Ele apresentou ao colégio de líderes proposta de restringir o número de pessoas que transitam em cada espaço da Câmara. Bueno quer também que, ao entrar na Casa, o cidadão só possa ir para o local previamente autorizado. “Todo Parlamento do mundo tem regras assim”, disse.

Lobistas

Ele defendeu ainda restrições de acesso ao plenário e ao Salão Verde da Câmara, que, na sua visão, devem ser abertos apenas para parlamentares, assessores e imprensa credenciada. As visitas de cidadãos, pela sua proposta, ocorreriam apenas em horários determinados.

“Hoje há lobistas dentro do plenário te pressionando para votar. O parlamentar tem que ter tranquilidade para votar”, disse. “Aqui não é lugar de manifestação. Lugar de manifestação é nos gramados, fora da Câmara”, acrescentou.

O líder do PT, deputado José Guimarães (CE), também defendeu o que chamou de “regulamentação dos espaços públicos” da Casa. “Deve haver controle rigoroso do acesso à Câmara, principalmente ao Plenário”, destacou. “Não pode haver vaias em Plenário. Não pode ter 800 pessoas no Salão Verde”.

Apuração de responsabilidades

O líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), disse que a invasão de ontem é lamentável e não pode se repetir, sob pena de desmoralização do Parlamento. “Não aconteceu nem na época da ditadura”, ressaltou.

Segundo Chinaglia, o colégio de líderes, que volta a se reunir na terça-feira (27), quer a apuração de responsabilidades, inclusive de deputados, em relação à invasão do Plenário. Além disso, conforme ele, a Câmara deve estudar um reforço de seu serviço de inteligência, que identifica, por exemplo, a possibilidade de manifestações ocorrerem.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade