Alagoas, 24 de junho de 2019 23º min 26º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Humans of Maceió

Jornaleiro conta como era vender revistas durante a ditadura

Sofia Sepreny

11/06/2018 12h12

Gesivan Rodrigues, dono de banca de revistas - Foto: Bruno Fernandes
Gesivan Rodrigues, dono de banca de revistas - Foto: Bruno Fernandes

“Cheguei aqui nesse ponto ainda garotão. De calça curta, estendi uma lona no chão e comecei a vender revistas nos anos 60. Essa banca aqui tem 57 anos, é a mais antiga da cidade. Aí começou a ditadura. Foi uma parte pesada da minha vida, época de muita censura. Me levaram um monte de revistas. Fui pego, amarrado, mas graças a Deus, nunca apanhei. Quando o general Costa e Silva morreu teve uma edição da revista Veja que foi completamente censurada. Três caras vieram aqui e pegaram todas as edições. Mas, sem querer, eu tinha dez guardadas que não conseguiram achar. Aí distribuí para meus fregueses mais fiéis. Era uma loucura” - Gesivan Rodrigues, 71, dono da banca de revistas "Central".

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir 15.2k
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade