Alagoas, 15 de julho de 2020 23º min 27º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
FUTEBOL

Fifa cria fundo para ajudar jogadores não pagos por clubes

Estadão Conteúdo

11/02/2020 15h03

O fundo oferecerá uma "rede de segurança" para os atletas
ReutersO fundo oferecerá uma "rede de segurança" para os atletas

A Fifa anunciou nesta terça-feira que reservou US$ 16 milhões (aproximadamente R$ 69 milhões) para ajudar jogadores que não foram pagos pelos seus clubes.

O financiamento cobre o período até 2022, e a entidade também quer criar um comitê de monitoramento com o sindicato mundial dos atletas, o FIFPro, para avaliar as necessidades dos jogadores.

O fundo oferecerá uma "rede de segurança" para os atletas, disse a Fifa em um comunicado. O presidente da entidade, Gianni Infantino, destacou que o órgão governamental queria mostrar seu "compromisso em ajudar os jogadores em uma situação difícil".

"Estamos aqui para chegar aos necessitados, especialmente na comunidade do futebol, e isso começa com os jogadores, que são as principais figuras do nosso jogo", acrescentou Infantino.

A Fifa orçou US$ 3 milhões (R$ 13 milhões) para o segundo semestre deste ano e US$ 4 milhões (R$ 17 milhões) para 2021 e 2022, cada. Há também US$ 5 milhões (R$ 22 milhões) disponíveis para casos de salários não pagos de julho de 2015 a junho de 2020.

"Mais de 50 clubes em 20 países fecharam nos últimos cinco anos, mergulhando centenas de jogadores de futebol em incertezas e dificuldades", disse o presidente do FIFPro, Philippe Piat.

"Este fundo fornecerá um apoio valioso para aqueles jogadores e famílias mais necessitados. Muitos desses clubes fecharam para evitar pagar salários pendentes, imediatamente se transformando nos chamados novos clubes".

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade