Alagoas, 10 de julho de 2020 23º min 27º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
CINEMA

'Sonic' conquista crianças e acerta na mudança de visual

G1

13/02/2020 15h03

Cena do filme 'Sonic'
DivulgaçãoCena do filme 'Sonic'

Os desafios contra "Sonic - O filme", que estreia no Brasil nesta quinta-feira (13), são muitos. Além de consertar uma desastrosa primeira versão do personagem, a adaptação de uma das séries de games mais populares dos anos 1990 precisa agradar aos fãs ao mesmo tempo em que conquista público próprio. Missão cumprida.

Grande parte do sucesso do filme vem exatamente da maneira como conseguiu superar a primeira barreira. Ao reconhecer logo no começo que tinha um problema após a avalanche de críticas ao visual tosco do herói no primeiro trailer, o diretor Jeff Fowler teve tempo para lidar com a questão.

Mais do que um remendo feito às pressas, o resultado é um personagem que honra a essência e o charme do ouriço azul dos games, e que equilibra seus traços cartunescos com características um pouco mais realistas.

Com um humor infantil mas afiado e inúmeras referências pop e à mitologia dos jogos, e um Jim Carrey ("Todo Poderoso") excelente como o vilão, o filme atinge com distinção o objetivo - um tanto clichê, é verdade - de agradar a crianças (seu óbvio público-alvo, com 90% das exibições brasileiras em versão dublada) e a seus pais.

As mudanças na história podem gerar reclamações dos fãs mais puristas, mas qualquer um que passou a infância sofrendo para terminar um "Sonic 2" em seu Mega Drive pode aprender a gostar dessa nova versão.

Longe de casa

O filme começa com um pequeno Sonic enviado à Terra para fugir daqueles que querem abusar de sua gigantesca velocidade - em uma inversão do que acontece no famigerado "Super Mario Bros." (1993), que tinha os irmão encanadores dos games tirados da "realidade" e jogados em um mundo de fantasia.

Quando sua presença é descoberta, o governo americano envia o doutor Ivo Robotnik (Carrey), um cientista inescrupuloso que comanda um exército de drones, para capturar a criatura desconhecida.

A versão do protagonista no cinema é bem diferente daquela apresentada nos games, mas dá pra entender. Obrigado a crescer sozinho em uma terra que não conhece, Sonic obviamente é mais inocente e imaturo que sua contraparte dos jogos, o que facilita sua identificação com o público.

Para derrotar o vilão e recuperar os anéis que abrem portais que podem levá-lo a um novo mundo mais seguro, o jovem herói conta com a ajuda do xerife (James Marsden) de uma pequena cidade.

Grandes poderes

Com essa premissa simples, Sonic tem espaço para desenvolver suas motivações e seus poderes, que vão além de apenas correr muito rápido. Conforme sua relação com o policial evolui, ele também tem a oportunidade de apresentar algumas de suas melhores piadas.

Nenhuma delas vai revolucionar a comédia, é verdade, mas a maioria funciona o suficiente para arrancar algumas risadas até dos pais que estiverem acompanhando seus filhos.

Do outro lado, por mais que Carrey esteja mais Carrey do que nunca, cheio de caretas e tiques, seu Robotnik é cheio de personalidade. Nas mãos do comediante, o vilão vira algo um pouco maior do que apenas o clichê do cientista louco.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade