Alagoas, 11 de maio de 2021 24º min 26º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
LUTO

Filho do radialista França Moura e produtor do Cidadania morre por complicações da covid-19

Alisson Moura tinha 43 anos de idade

Tâmara Albuquerque

27/04/2021 07h07 - Atualizado em 27/04/2021 07h07

Alisson Moura era produtor do Programa Cidadania
ReproduçãoAlisson Moura era produtor do Programa Cidadania

A família do radialista França Moura realiza nesta terça-feira, 27, o sepultamento de Alisson Gomes de Moura, no Memorial Maceió, às 14 horas. Alisson tinha 43 anos de idade, era produtor do programa Cidadania e filho do radialista. 

Alisson estava internado no Hospital Metropolitano em tratamento da covid-19, mas não resistiu à gravidade da doença. Sua morte deixa uma lacuna no radiojornalismo alagoano, onde atuava nos bastidores com criatividade e responsabilidade.

O sepultamento de Alisson Moura seguirá o protocolo para o caso, apenas com a presença do núcleo familiar. 

Ex-presidente do CSE

A covid-19 também levou ao óbito, no início desta madrugada, o ex-presidente do CSE Luiz Fernando de Barros Júnior. Júnior Barros, como era conhecido, tinha 48 anos e exercia atualmente o cargo de chefe de gabinete da deputada Ângela Garrote (PP) na Assembleia Legislativa de Alagoas. Era natural de Palmeira dos Índios e filho de  dos tabeliães palmeirenses Fernando Barros e Maria Daguia Queiroz de Barros.

Desportista, se destacou na juventude por sua habilidade e desenvoltura no futebol chegando ao bicampeonato alagoano de futsal pelo Colégio Cristo Redentor. Torcedor ‘doente’ do Flamengo e do CSE, foi jogador profissional do tricolor e depois presidente do clube na década de 90.

Passou um período de sua vida na Paraíba, na cidade de Cacimbas, terra natal de sua mãe Daguia, onde chegou a exercer o mandato de vereador e assumir a Secretaria de Educação no Município.

De volta a Alagoas assumiu a Secretaria Adjunta de Administração de Palmeira dos Índios na primeira gestão do prefeito Júlio Cezar (MDB) de onde saiu para assessorar a deputada Ângela Garrote na ALE.

No dia 18 de fevereiro passado a tabeliã Maria Daguia Queiroz de Barros, sua mãe faleceu de covid-19. Junior Barros também contraiu a covid-19 e vinha fazendo o tratamento em casa, sem apresentar sintomas graves e demonstrando sinais de melhora. No último sábado passou mal e precisou ser levado para a UPA de Palmeira dos Índios e de lá internado no Hospital Santa Rita.

Ontem (26) precisou ser intubado. Horas depois, teve uma parada cardíaca e não resistiu – falecendo aos primeiros minutos desta terça-feira, 27. A Família ainda não informou onde será o sepultamento.

Galeria de Fotos


Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade