Alagoas, 07 de julho de 2020 22º min 26º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
CHINA

O enigma dos 21 milhões de números de telefone desaparecidos

Notícias ao Minuto

08/04/2020 08h08

Relatos nas redes sociais dão conta de que perda de clientes poderia estar relacionada com mortes
DivulgaçãoRelatos nas redes sociais dão conta de que perda de clientes poderia estar relacionada com mortes

Desde que em finais do ano passado e início deste ano foi descoberto um novo vírus que o mundo tem olhado com atenção acrescida pela China. O primeiro caso do novo Coronavírus foi identificado exatamente neste país asiático, mas, face à mortalidade elevada em várias partes do globo, comparada com os números apresentados pelo governo chinês, muitos especulam se as estatísticas terão sido trabalhadas para esconder a realidade.

Durante os últimos dias, nas redes sociais e na imprensa, um enigma tem posto ainda em maior evidência esta teoria. É que, entre janeiro e fevereiro, altura do pico pandêmico na China, teriam desaparecido dos 'radares' das operadoras telefônicas 21 milhões de utilizadores.

Esta falta de explicação relativamente a estes dados, levou a que se pensasse que o número de mortes e contágios no país pudesse ser muito superior aos dados apresentados pelo governo, mas a 'teia' de dúvidas foi desfeita pela próprias operadoras.

Em declarações à Associated Press, um porta-voz de uma das três maiores operadoras confirmou o 'desaparecimento' dos utilizadores, mas referiu que este fato está, na maioria dos casos, relacionado com o cancelamento do serviço.

Na China, segundo o reportado, é comum uma pessoa utilizar vários cartões telefônicos, mas a crise econômica causada pelo isolamento social imposto pelo governo local teria levado muitas pessoas a optarem por conter os custos considerados supérfluos.

"Estes dados estão principalmente relacionados com a redução dos negócios e atividades resultantes do surto de Covid-19. Muitos consumidores na China possuem diversos chip de celular e é comum que usem estes cartões secundários para este tipo de atividade [negócios e socialização]", explica uma representante de uma empresa de telecomunicações citada pela Associated Press.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade