Alagoas, 03 de julho de 2022 23º min 26º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
ALAGOAS

Adoção do piso da enfermagem provocará demissão em massa

Gestores da área da Saúde garantem impossibilidade de bancar aumento de 60% na folha salarial

Tamara Albuquerque

22/05/2022 15h03 - Edição 1168

Profissional da enfermagem
Agência AlagoasProfissional da enfermagem

A instituição do piso salarial nacional para a enfermagem não deve acontecer a curto prazo no país. O PL 2564/2020 aprovado no último dia 5 na Câmara Federal está no centro de uma queda de braços entre governistas e oposição. Numa manobra pouco usual, o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), segurou o envio da matéria para sanção presidencial até que haja definição da fonte de financiamento do piso da enfermagem.

O PL, de autoria do senador Fabiano Contarato (PT), estabelece o valor base de R$ 4.750 para o salário de enfermeiros do setor público, filantrópico e privado. Também prevê salário mínimo de R$ 3.325 para técnicos de enfermagem e de R$ 2.375 para auxiliares de enfermagem e parteiras.

A definição sobre a fonte de custeio é a pedra no sapato dos gestores para aplicação do piso. Sem uma origem de financiamento, a iniciativa, que vem após três décadas de luta dos profissionais, provocaria um rombo de R$ 17 bilhões/ano no setor de saúde no Brasil, segundo cálculos ainda incipientes da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp).

Em Alagoas, o Sindhospital (Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Alagoas) afirma que sem o financiamento a implantação do salário base vai promover demissões em massa, o que causará - por via indireta - uma redução no atendimento à população.

Leia na íntegra no EXTRA ALAGOAS nas bancas!

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade