Alagoas, 30 de novembro de 2021 26º min 32º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
TRIBUNAL DO JÚRI

PM acusado de matar irmãos pode pegar até 60 anos de prisão

Julgamento do crime acontece hoje; vítimas tinham retardo mental em graus leve e moderado

Redação

25/11/2021 08h08 - Atualizado em 25/11/2021 11h11

Johnerson Simões Marcelino
Caio LoureiroJohnerson Simões Marcelino

Começou na manhã de hoje, 25, o julgamento do policial militar Johnerson Simões Marcelino suspeito de matar os irmãos Josivaldo Ferreira Aleixo e Josenildo Ferreira Aleixo, no Conjunto Village Campestre, parte alta de Maceió.

O réu foi preso preventivamente em março de 2016. Ele também é acusado de tentar implantar provas falsas contra as vítimas. O júri, que será conduzido pelo magistrado Guilherme Bubolz Bohm, acontece no Fórum do Barro Duro. À época do crime, Josivaldo tinha 18 anos, enquanto Josenildo tinha 16 anos, e conviviam com retardo mental em graus leve e moderado. 

“O Ministério Público pedirá a condenação do acusado por crime de homicídio triplamente qualificado, por incidir no caso concreto as circunstâncias qualificadoras do motivo fútil, uso de emprego de meio que resultou perigo comum e uso de recurso que dificultou a defesa das vítimas. E ainda devendo ser condenado por fraude processual”, informou a promotora de Justiça Adilza Inácio de Freitas da 42ª Promotoria de Justiça da capital.

Ainda segundo a promotora, o policial militar poderá ter uma pena fixada em até 60 anos de prisão.

A investigação apontou que os dois foram abordados com agressividade por policiais no momento em que retornavam da casa de um parente. Ainda segundo a investigação, um deles teria reagido à violência e Johnerson Simões Marcelino sacado a arma para feri-los. Os disparos atingiram e mataram os irmãos, além de Reinaldo da Silva, que passava do outro lado da rua.

Ainda de acordo com o Ministério Público Estadual, após execução do crime, o réu colocou os dois irmãos feridos na mala da viatura e, depois de trafegar alguns metros com as vítimas inocentes dentro do carro, ele retornou à cena do assassinato para recolher as cápsulas dos projéteis deflagrados.


Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade