Alagoas, 19 de setembro de 2021 23º min 28º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
MASSA FALIDA

Joaquim Beltrão é processado por invadir terras da Guaxuma

Denúncia contra ex-prefeito integra dossiê elaborado por Lourdinha Lyra

José Fernando Martins

24/07/2021 08h08 - Atualizado em 24/07/2021 08h08 - Edição 1128

Ação foi protocolada no dia 7 de maio
Cortesia ao Jornal Extra de AlagoasAção foi protocolada no dia 7 de maio

Após a curadora e filha do ex-usineiro e ex-deputado federal João Lyra preparar um dossiê sobre a invasão de terras da Usina Guaxuma por antigas concorrentes, o administrador judicial do processo falimentar da Laginha (holding que reunia as empresas de JL), Oreste Nestor de Souza Laspro, ingressou com ação no Judiciário alagoano. De número 0700401-63.2021.8.02.0042, o processo tramita na 1ª Vara de Coruripe sob a condução do juiz Mauro Baldini. Na lista de réus estão a Usinas Reunidas Seresta, a Impacto Bionergia Alagoas, a Usina Coruripe e o ex-prefeito de Coruripe Joaquim Beltrão.

A ação foi protocolada no dia 7 de maio e a última movimentação, até o fechamento desta edição, ocorreu no dia 1º de julho. Entre os pedidos da parte autora está a demarcação de terra, que sanaria as supostas invasões. “Inicialmente verificamos que há uma incompatibilidade entre o nome da ação escolhida e a finalidade que com ela se busca. Embora a parte afirme que o objeto da ação seja a produção antecipada de prova, na verdade, se visa a demarcação de terra, ou seja, típico pedido de ação demarcatória”, consta dos autos do processo.

Conforme os advogados da Família Lyra, as terras da Usina Guaxuma encontram-se invadidas e, sendo exploradas pela Usina Coruripe que estaria realizando atividades produtivas no cultivo e moagem de cana-de-açúcar nas terras sem qualquer autorização ou contrapartida em prol dos interesses da Massa Falida. O falido, João Lyra, chegou a promover diligências na região, flagrando por meio de uma análise de campo em tempo real via drone obtendo vídeos com indícios de que as terras da usina estaria sendo exploradas por empresas que nada têm a ver com o processo falimentar.

“Há flagrantes indícios que a Usina Coruripe é a invasora das terras da Massa Falida, utilizando-as como se de sua propriedade fossem, tendo montado realmente uma estrutura física de explorador contumaz, haja vista a presença de caminhões para transporte de cana-de-açúcar, tratores, colheitadeiras e mão de obra contratada especificamente para esta finalidade”, destacou o grupo de advogados do escritório FMSA, que defende os interesses dos falidos.

Leia na íntegra no EXTRA ALAGOAS nas bancas!

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade