Alagoas, 18 de junho de 2021 24º min 26º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
SUPOSTA TRANSGRESSÃO

Comandante do BPRv pede exoneração do cargo por causa de sindicância da PM

Pedido foi enviado ao comandante geral da Polícia Militar de Alagoas

Bruno Fernandes

02/06/2021 15h03 - Atualizado em 02/06/2021 16h04

Coronel Everaldo Liziário dos Santos Júnior
DivulgaçãoCoronel Everaldo Liziário dos Santos Júnior

O comandante do Batalhão de Polícia Rodoviário (BPRV) Everaldo Liziário dos Santos Júnior pediu para ser afastado de suas funções. O motivo para seu pedido foi a sindicância iniciada pela Polícia Militar do Estado de Alagoas para apurar suposta transgressão militar de um suposto exercício irregular de atividade de segurança privada.

O pedido foi enviado ao comandante geral da Polícia Militar de Alagoas, o coronel Wellington Bittencourt. Em seus argumentos, o oficial diz que a função de comandante do BPRv não mais lhe traria prazer “por tudo o que ocorreu e vem ocorrendo”.

No último dia 30, o agora ex-comandante chegou a ser afastado de suas funções. A decisão foi do juiz da 13ª Vara Criminal da Capital/Trânsito e Auditoria, José Cavalcanti Manso Neto.

De acordo com o magistrado, "existem riscos da contaminação das provas a serem colhidas por meio dos depoimentos testemunhais, tendo em vista que o exercício regular de suas funções à frente da referida Organização Policial Militar influi negativamente no curso das apurações".

O pedido de exoneração foi entregue ontem (1º) ao comando da Polícia Militar de Alagoas no mesmo dia em que o desembargador Tutmés Airan derrubou a liminar em que afastava o oficial do cargo após a denúncia do parlamentar.

 "Oficie-se, com urgência, o juízo de origem, dando-lhe ciência do inteiro teor desta decisão e requisitando-lhe, no prazo de 10 (dez) dias, informações que entender necessários ao andamento do feito", escreveu o desembargador na decisão.

No pedido de exoneração enviado hoje, o oficial disse que seu nome e imagem já haviam sido veiculados em diversos meios de comunicação de grande circulação, assim como o da PMAL, em virtude do que ele chama de perseguição.

"Se este é o desejo de quem está armando este circo midiático, não é o meu”. “Não me orgulho de ver o meu nome e o nome da corporação militar alagoana sendo veiculado nos meios de comunicação por pura birra e tentativas nefastas de manipulações por sentimentos puramente egóicos”.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade