Alagoas, 11 de maio de 2021 24º min 26º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
CASO NUDSON HARLEY

Família de advogado morto por engano agradece pelo fim do caso após 11 anos

Tâmara Albuquerque

22/04/2021 11h11 - Atualizado em 22/04/2021 11h11

Delegado Paulo Cerqueira foi indiciado pela Polícia Federal como mandante do crime que resultou na morte do advogado
DivulgaçãoDelegado Paulo Cerqueira foi indiciado pela Polícia Federal como mandante do crime que resultou na morte do advogado

A família do advogado Nudson Harley, assassinado a tiros em 2009, e que, agora, a Polícia Civil descobriu que teria sido por engano, encaminhou para divulgação uma carta onde agradece a persistência do juiz aposentado Marcelo Tadeu, cuja tese de que os tiros tinham como alvo ele próprio, ignorada à época, foi confirmada.

No início do mês, a polícia divulgou que o delegado-geral da Polícia Civil de Alagoas, Paulo Cerqueira, foi indiciado pela Polícia Federal como mandante do atentado que resultou na morte do advogado, mas que teria como alvo o então juiz Marcelo Tadeu. 

Na carta, familiares afirmam que não tinham perdido a esperança de descobrir o que aconteceu. "Ainda sobre o ano de 2009, não poderíamos deixar de lembrar da linha de investigação de um possível crime passional. Muita especulação. Falaram até na prisão de um traficante, suspeito de ser o executor. Foram muitas mentiras, muitas trapaças, até que as notícias pararam de chegar. A última foi que poderia ser crime por engano, questionado pelo Juiz Marcelo Tadeu. Aqui, abrimos um parágrafo para agradecer ao Dr. Marcelo Tadeu. Que foi desacreditado na hipótese de erro de execução e aqueles tiros eram para ele. Nos prometeu que iria em busca da verdade, buscou todos os recursos para levar o caso ao STJ. Agradecemos pela sua persistência, pela sua coragem e por nunca ter desistido da sua tese de crime por engano. Se não fosse isso, nunca saberíamos de nada", diz a carta.

A família conta que em 2012 acompanhou as investigações que foram levadas para o STJ, a pedido do Juiz Marcelo Tadeu.

"No dia 11/04/2021recebemos a notícia, através das redes sociais, que a Polícia Federal havia indiciado um delegado, o mesmo que presidiu as investigações da polícia Civil em 2009. O mesmo que nos disse que o crime foi praticado de uma forma mesquinha e que iria descobrir quem eram os assassinos, que desvendar o crime era uma questão de honra. Que aquele crime não iria ficar impune. Mas ficou impune. Tivemos a notícia também que em 05/04/2021, houve uma sentença de pronúncia para julgamento no Tribunal do Júri. Que uma pessoa foi acusada, o sujeito que foi contratado para matar o Juiz, mas que por erro roubou a vida do Nudson", afirmou a família.

A família diz que a sentença foi recebida com satisfação. "Uma mistura de dor ainda pela grande perda, mas ao mesmo tempo de esperança. Estamos perto do fim após quase 12 anos de angústia. Nada vai trazer a vida dele de volta, mas a sensação de saber que justiça será feita, essa não tem preço! Ansiosos agora para que marquem logo esse Julgamento no Tribunal do Júri, afinal já esperamos muito tempo". No final da carta, a família do advogado morto por engano agradeceu a Polícia Federal pelo empenho e a todos que passaram e trabalharam na investigação. "Obrigado por nunca desistirem".

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade