Alagoas, 08 de maio de 2021 24º min 28º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
JUSTIÇA

Juiz absolve deputados e ação dos Taturanas pode acabar em pizza

Redação

17/04/2021 14h02

Juiz Ivan Brito
Arquivo/ExtraJuiz Ivan Brito

O juiz Ivan Vascon­celos Brito, da 16ª Vara Cível da Ca­pital, absolveu o segun­do grupo dos Tatutanas, cujos réus estão ligados ao processo relativo ao banco Bradesco. Dessa ação constam os nomes de Antônio Albuquerque, João Beltrão (falecido), Arthur Lira, João de Carvalho Beltrão (Chi­cão), Francisco Tenório, Cabo Luiz Pedro da Sil­va, Isnaldo Bulhões Jú­nior, Dudu Albuquerque e ex-servidores da As­sembleia Legislativa.

Ao julgar o mérito da ação cível por improbida­de administrativa contra os deputados, o magis­trado alegou que a verba de gabinete é legal, não havendo provas de que os empréstimos bancários foram pagos pela Assem­bleia, e sim, com verba indenizatória.

Esse processo foi des­dobrado da ação princi­pal que envolve dezenas de acusados, além dos deputados. O primeiro grupo, ligado aos em­préstimos junto ao Banco Rural, foi julgado e con­denado pela unanimida­de da comissão de juízes que atuou nos processos de improbidade. Os réus apelaram ao Tribunal de Justiça, mas a 3ª Câma­ra Cível manteve a sen­tença.

Com o deslocamen­to dessa comissão para julgar apenas ações de improbidade que trami­tam nas comarcas do in­terior, o processo contra o grupo ligado ao Bra­desco foi parar nas mãos do juiz Ivan Vasconce­los Brito, titular da 16ª Vara Cível da Capital.

Apesar da condena­ção dos réus ligados ao processo do Banco Ru­ral, o magistrado decidiu inocentar o grupo ligado ao Bradesco, acusado pe­los mesmos crimes.

O promotor José Car­los Castro, do Núcleo de Improbidade do Ministé­rio Público Estadual, de­verá recorrer da decisão do juiz Ivan Vasconcelos. Essa sentença de primei­ro grau não tem relação jurídica com a decisão do colegiado que con­denou o primeiro grupo de réus, mas pode levar os condenados a pedir anulação da sentença, cuja apelação tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ), presidido pelo ministro alagoano Humberto Martins.

Matéria completa na edição impressa do Jornal Extra nas bancas!

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade