Alagoas, 23 de setembro de 2019 23º min 27º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
27 ANOS DE PRISÃO

Acusado de matar homem por R$ 3 é condenado

TJ AL

12/09/2019 11h11 - Atualizado em 12/09/2019 11h11

Réu teria cobrado taxa à vítima por ter estacionado a moto na praia
IlustraçãoRéu teria cobrado taxa à vítima por ter estacionado a moto na praia

O Conselho de Sentença da 8ª Vara Criminal de Maceió condenou, nesta quarta-feira, 11, o réu William de Souza Ferreira por homicídio, cometido após discussão por R$ 3 em agosto de 2014. O júri foi conduzido pelo titular da unidade, John Silas, que fixou a pena em 27 anos e 6 meses de reclusão, em regime inicialmente fechado.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, William de Souza teria efetuado disparos contra Anderson Medeiros Teixeira, causando sua morte, e contra Letícia Soares dos Santos, causando lesões.

A motivação do crime seria uma cobrança feita pelo réu e outro homem, de R$ 3, porque as vítimas deixaram uma moto estacionada na Praia do Gunga. Anderson pagou a quantia porque estava sendo impedido de sair, mas informou que a cobrança indevida seria comunicada ao Procon.

Durante o cálculo da pena, o magistrado salientou que as circunstâncias do crime foram extremamente graves, “visto que o acusado aguardou a saída das vítimas do local onde a discussão ocorreu para abordá-los mais adiante, direcionando os disparos para o veículo das vítimas, que trafegava em rodovia movimentada, pondo em risco não só os ocupantes do veículo”, diz a sentença.

A sentença manteve a prisão preventiva de William. O outro acusado, que estava no carro no momento do crime, Valter Ferreira de Carvalho Júnior, não foi a júri porque o processo foi desmembrado. A ação penal contra ele foi suspensa porque o réu não foi encontrado. Valter teve a prisão preventiva decretada em maio de 2018.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade