Alagoas, 21 de novembro de 2019 24º min 28º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
DECLARAÇÃO DO DESEMBARGADOR

Presidente de associação critica justificativa do TJ para despromover PMs

Redação

10/09/2019 16h04 - Atualizado em 10/09/2019 16h04

O presidente da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Alagoas (ACS/AL), Sargento Wellington
DivulgaçãoO presidente da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Alagoas (ACS/AL), Sargento Wellington

O presidente da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Alagoas (ACS/AL), Sargento Wellington criticou nesta terça-feira, 10, a declaração do desembargador e presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), Tutmés Airan ao tentar justificar despromoções dos policiais e bombeiros militares.

Durante entrevista concedida à uma rádio de Arapiraca, e de acordo com vídeo que está circulando em redes sociais, Tutmés Airan alega que Cabos foram promovidos ao posto de Capitão, quando na verdade isso não ocorreu.

“Na verdade, os quarenta capitães promovidos eram subtenentes e não foram atingidos pela decisão do presidente do TJ/AL porque o Estado não recorreu da decisão judicial em relação a quem os promoveram”, disse o presidente.

Ainda de acordo com Sargento Wlelington, o Estado maquiou os números quando revelou que houve um acréscimo de 15 milhões de reais com as promoções judiciais dos militares.

“É importante informar que na verdade foram incluídos nos cálculos as promoções administrativas, bem como a inclusão dos soldados que não representam despesas nesse orçamento alegado”, pontuou.

O presidente da associação explica que existe a esperança de que todos serão promovidos pela administração no mês de fevereiro de 2020.

“A maioria dos militares despromovidos é da reserva ou reforma, portanto impossibilita que sejam promovidos em uma data qualquer. Aos militares despromovidos e que se encontram na ativa, também não serão promovidos por falta de vagas, situação essa que causou as ações judiciais devido a inércia da PMAL e do CBMAL em promoverem os militares dentro dos interstícios”, finalizou.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade