Alagoas, 21 de novembro de 2019 24º min 28º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
BAIRROS AFUNDANDO

Pinheiro vai perder 90% do comércio, diz associação

Sofia Sepreny

14/06/2019 11h11 - Atualizado em 15/06/2019 08h08

Bairro do Pinheiro está afundando
Foto: DivulgaçãoBairro do Pinheiro está afundando

O variado self-service é o carro-chefe da Comedoria Bonapetit no bairro do Pinheiro, em Maceió. “Dia de quarta, quinta e sexta era uma alegria, faturamento alto e o salão sempre cheio. Eu faturava em média R$1.500 por dia, hoje tem dia que saio no prejuízo, lucro no máximo R$300 reais. Isso não paga nem a minha água”, conta Jeanne Sales, 38, proprietária do estabelecimento há 1 ano. O restaurante acabara de abrir em meados de 2018 e era novidade no bairro. Funcionando de segunda a sexta, ainda conquistava a clientela com eventos e serviços delivery. “Quando a gente tava começando a bombar, aconteceu tudo isso. Hoje a gente tá tentando manter algo através do delivery, mas não está fácil”. 

Esta é a realidade do comércio na região desde que começaram os problemas de subsidência no Pinheiro. Empreendimentos quebrando, supermercados fechando, lojas demitindo, e o bairro ficando vazio. De acordo com o presidente da Associação dos Empreendedores do Pinheiro, Alexandre Sampaio, são em média duas mil empresas no bairro e, segundo a Junta Comercial do Estado de Alagoas (Juceal), são 2.700 CNPJs ativos.
“Dentre elas, todas já demitiram entre 1 e 5 funcionários. Este é um levantamento que fizemos com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas. O maior mercado do bairro, por exemplo, o Super Pilar, já demitiu metade dos funcionários”. Nas redes sociais do empreendimento eles emitiram uma nota de esclarecimento, justificando o motivo das demissões e solicitando ajuda para divulgação do “Super Pilar” para que as vendas voltem a ser como antes, e que o supermercado permaneça na localidade. A nota diz ainda que o Super Pilar aguarda por dias melhores no bairro.

Para o presidente da associação, até a divulgação do Mapa de Setorização de Danos e de Linhas de Ações Prioritárias, divulgado pelo CPRM (Serviço Geológico do Brasil), havia esperança de que os empresários não precisassem sair do bairro. “Ninguém queria sair. É um bairro que desenvolveu um comércio próprio, que desenvolveu uma dinâmica e tinha uma economia pujante. Dados da Fecomércio apontam um lucro de R$ 1 bilhão e R$ 1,3 bilhão de reais por ano de faturamento dessas 2 mil empresas locais. E esse faturamento caiu por terra, por conta das incertezas do local”. Segundo Sampaio, hoje com a divulgação do mapa, 90% das empresas terão que deixar o bairro.

Leia mais no Jornal Extra de Alagoas nas bancas

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade