Alagoas, 17 de agosto de 2019 22º min 26º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
CASO DANIEL THIELE

Família de professor assassinado cobra conclusão do processo pela 17ª Vara

Professor foi vítima de latrocínio e processo está parado, para angústia dos parentes-

Assessoria

30/04/2019 16h04

Família de professor assassinado cobra conclusão do processo pela 17ª Vara
Divulgação

A família do professor da Ufal, Daniel Thiele, vítima de latrocínio em setembro de 2017, está cobrando a conclusão do processo pelos juízes que compõem a 17ª Vara Criminal da Capital, responsáveis pela análise do caso. Um dos acusados de envolvimento na trama que resultou na morte do educador ainda não apresentou a defesa, motivo que impede os magistrados de sequenciar a tramitação dos autos.

No começo desta semana, o advogado Thiago Pinheiro, contratado para atuar como assistente de acusação, apresentou um requerimento ao colegiado privativo de julgar crimes praticados por organizações criminosas para nomeação de um defensor público ao réu Cristiano Nascimento Germano, que até agora não constituiu advogado para apresentar as alegações finais no processo.

Pinheiro justificou à 17ª Vara que os autos não podem ficar aguardando a apresentação das alegações finais, sem as quais o processo não anda. Para isto, pediu que o colegiado de juízes faça a nomeação, em caráter de urgência, de um advogado público para tal ato processual. O requerimento da assistência de acusação foi protocolado no Poder Judiciário nessa segunda-feira (29 de abril), mas ainda não foi analisado.

O irmão do professor Daniel Thiele informou que a família está aguardando o resultado deste caso desde 3 de julho de 2018, quando aconteceu a audiência para ouvir testemunhas arroladas tanto pela defesa dos cinco réus como pela acusação. “Desde esta data estamos esperando a aplicação do veredito do juiz responsável por este caso”, comentou o bancário Marcelo Thiele.

“Causa estranheza que, após quase um ano, ainda não tenha sido concluído este caso. Periodicamente, estamos em contato com o doutor Thiago Pinheiro, solicitando informações acerca do andamento do processo, porém, o mesmo encontra-se parado. Esperamos que o juiz responsável se manifeste em breve para que seja dado um posicionamento, bem como anunciar a pena daqueles que estiveram envolvidos da morte do Daniel”, avalia.

A família, segundo Marcelo Thiele, quer, apenas, que a justiça seja aplicada, privando os criminosos do convívio social, no intuito de evitar que outras famílias passem pela dor da perda de um ente querido.

O caso

O inquérito policial enviado à Justiça aponta que, no dia 20 de setembro de 2017, os réus Thiago Anderson Lima da Silva, Cristiano Nascimento Germano e André da Silva Firmino planejaram roubar um jogo de rodas de carro no valor de R$ 7 mil e um aparelho de telefone. A trama, segundo a polícia, teve ainda a ajuda de Luís Fernando Gonçalves de Oliveira e Fabiano da Silva Rocha, resultando, posteriormente, na morte do professor.

Após a execução do roubo, no intuito de esconder o crime, André teria ateado fogo ao veículo e ao corpo da vítima. Os restos mortais de Daniel Thiele e o carro, ambos totalmente carbonizados, somente foram encontrados no dia 6 de outubro daquele ano, em uma área de mata de difícil acesso na zona rural do município do Pilar. O achado somente foi possível com o suporte de uma aeronave da Secretaria de Segurança Pública.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir 16k
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade