Alagoas, 29 de novembro de 2021 26º min 32º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Alagoas

Ex-delegado de Penedo é afastado por 90 dias

Rubem Natário será investigado por omissão no caso Roberta Dias. Decisão é do Conseg que diz que ele deveria ter sido afastado na sexta

Do G1 AL

10/09/2013 08h08

Ex-delegado de Penedo é afastado por 90 dias

O Conselho Estadual de Segurança (Conseg) decidiu, nesta segunda-feira (09), afastar das funções o delegado Rubem Natário, que há dois meses pediu transferência da Delegacia de Penedo, interior de Alagoas, e assumiu a Regional de Junqueiro. O afastamento acorreu  após a Polícia Civil deflagrar operação que revelou que policiais daquele município estariam envolvidos em tráfico de drogas e no desaparecimento da grávida Roberta Dias, há um ano.

De acordo com assessoria do Conseg, os conselheiros foram enfáticos ao afirmar que Natário não será afastado apenas do cargo em que ocupava, mas da função de delegado. Ele ficará afastado por um prazo de 90 dias, que pode ser prorrogado.

Durante a reunião, os conselheiros frisaram que o delegado deveria ter sido afastado quando veio à tona a conclusão do sumiço da estudante grávida Roberta Dias, divulgado na última sexta-feira (6), e da desarticulação da ''boca de fumo'', assim entitulado pelo delegado cícero Lima, que funcionava dentro da Delegacia de Penedo.

As investigações da Divisão Especial de Investigações e Capturas (Deic) resultaram na desarticulação de um grupo criminoso e prisão de três policiais civis que trabalhavam em Penedo.

O delegado Rubem Natário afirmou que foi vítima de calúnia e difamação por parte do delegado Cícero Lima, coordenador da Delegacia de Homicídios (DH). Na última sexta-feira (6), em entrevista para uma emissora de rádio da cidade de Penedo, Lima disse que "Natário desviava o foco das investigações do caso Roberta Dias". Mais na tarde do mesmo dia, em entrevista coletiva à imprensa, Cícero Lima disse que se referia a falta de celeridade do delegado em relação ao caso Roberta Dias.

Natário disse ainda que passou o caso para a Deic porque na delegacia não havia estrutura suficiente para o andamento das investigações e que em nenhum momento foi omisso. “Quando as investigações apontaram a possibilidade de envolvimento de policiais, ela foi entregue para a Deic. Estou tranquilo porque sei que fiz meu trabalho corretamente nas investigações”, disse o delegado ao reforça que durante 25 anos de profissão nunca havia recebido uma advertência.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade