Alagoas, 30 de julho de 2021 22º min 27º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Judiciário

Pedido vistas da ação de reposição salarial de servidores do Legislativo

Requerimento é de que o Estado reponha 102,95% dos salários de 1994 a 2008

Dicom TJ/AL

04/09/2013 11h11

Pedido vistas da ação de reposição salarial de servidores do Legislativo

   O desembargador Sebastião Costa Filho, pediu, durante a sessão do Pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas, ocorrida nesta terça-feira (03), vistas do processo movido pelo Estado de Alagoas contra o mandado de segurança interposto pelos servidores da Assembleia Legislativa. Eles requerem a reposição salarial de 102,95%, referente ao adimplemento de 14 amps das parcelas devidas desde a data da impetração do Mandado de Segurança nº 847/94, no ano de 2004, até 2008, quando o reajuste começou a ser repassado.

     O processo, de relatoria do desembargador Washington Luiz, foi analisado durante a sessão através de duas preliminares. A primeira, trata a ilegitimidade, ou não, de se mover ação para reposição salarial contra o Estado. Nesse quesito, o relator votou pela ilegitimidade, afirmando que a ação deveria ter, como réu, a Assembleia Legislativa, já que a mesma possui erário próprio. O voto foi rejeitado por maioria de votos, com exceção dos desembargadores Sebastião Costa Filho, Pedro Augusto, Tutmés Airan e do próprio relator.

     Já a segunda preliminar, que trata da nulidade ou não da ação, ficou pendente de votação, em razão do pedido de vistas do desembargador Sebastião Costa, para análise mais aprofundada. A preliminar prevê a nulidade da ação contra o Estado, por ele não ser, em momento algum, citado nas alegações do mandado de segurança interposto pelos servidores do Legislativo.

 

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade