Alagoas, 25 de novembro de 2020 24º min 28º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Política

“A investigação está sendo realizada, mas ainda existem fatos que não posso revelar”, diz Sérgio Jucá

Segundo Jucá, a defesa da Mesa Diretora não convenceu, pois foi inconsistente

30/08/2013 11h11

“A investigação está sendo realizada, mas ainda existem fatos que não posso revelar”, diz Sérgio Jucá

O procurador-geral de Justiça, Sérgio Jucá, em entrevista ao Jornal Extra, na quarta-feira (28), afirmou que as investigações - por meio de uma portaria feita pelo Ministério Público Estadual (MPE) com relação às denúncias feitas pelo deputado estadual João Henrique Holanda Caldas contra a Mesa Diretora da ALE/AL - estão sendo feitas, mas os detalhes ainda não podem ser revelados.

Segundo Jucá, a defesa da Mesa Diretora não convenceu, pois foi inconsistente. “O resultado do inquérito ainda não posso dizer, mas o MP vai investigar e pode chegar a propor uma medida judicial ou extrajudicial”, afirmou ele.

A portaria possui vários órgãos de execução do Ministério Público que compõem toda a equipe. O Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) terá os promotores de Justiça Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, Luiz Tenório Oliveira de Almeida, Elísio da Silva Maia Júnior, Antônio Luis dos Santos Filho e Hamilton Carneiro Júnior. Porém, os Núcleos de Defesa do Patrimônio dos 1º e 2º Centros de Apoio Operacional – CAO, os integrantes serão José Carlos Silva Castro, Napoleão José Calheiros Correia de Melo Amaral Franco e Tácito Yuri de Melo Barros.

A promotora Fernanda Maria Moreira de Almeida, integrante do 1º Grupo de Trabalho de Combate à Improbidade Administrativa e George Sarmento Lins Júnior e Jamyl Gonçalves Barbosa, da Promotoria de Justiça da Fazenda Pública Estadual, também fazem parte do grupo. Os promotores de Justiça criminais Maurício André Barros Pitta, Karla Padilha Rebelo Marques, Marluce Falcão de Oliveira e Givaldo Barros Lessa completam o conjunto os membros que vão fazer a coordenação das atividades. Todos eles vão atuar em parceria com o procurador-geral de Justiça, que continuará titular das investigações.

Sobre caso

No final do mês de junho deste ano o deputado João Henrique Caldas concedeu coletiva à imprensa para anunciar que a atual Mesa Diretora da ALE/AL manipulava, de forma ilícita, a folha de pessoal do Parlamento. Ele alegou que os dirigentes da Casa de Tavares Bastos teriam sacado de forma irregular mais de R$ 4,5 milhões na Caixa Econômica Federal de forma 'misteriosa'. Além disso, existem as gratificações para servidores comissionados. Um total de R$ 17,5 milhões teriam sido destinados para esse fim somente no ano de 2011, também, segundo ele, em desacordo com a legalidade.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade