Acompanhe nas redes sociais:

17 de Agosto de 2017

Só no site :: Alagoas

19/05/2017

FPI do São Francisco realiza a soltura de 370 animais silvestres

redação com MP
Assessoria

Apesar de proibida, a "cultura" de capturar e prender animais silvestres ainda predomina no interior de Alagoas. As aves são os principais alvos dos caçadores. No início da manhã desta sexta-feira (19), uma equipe da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) do São Francisco promoveu a reintrodução de 370 pássaros de várias espécies típicas da Caatinga ao seu habitat natural, além de nove jabutis e duas serpentes.

Entre as espécies de aves libertadas estão Sabiá, Papa-capim, Galo-de-campina, Mané-mago, Jesus-meu-Deus, Garibalde, Xexéu de bananeira, entre outros encontrados no bioma típico do Sertão. O nome da reserva natural que serviu de local de soltura será mantida em sigilo para garantir que os caçadores não procurem a região na tentativa de recapturar os bichos.

Os animais foram resgatados durante os dois últimos dias de operação nas cidades de Arapiraca, Junqueiro, Palmeira dos Índios, São Sebastião e Teotônio Vilela.

"As pessoas podem criar animais silvestres, contanto que eles sejam de criadouros legalizados. A caça ilegal pode provocar um grande mal-estar para as aves e um desequilíbrio ecológico na região onde elas vivem, uma vez que cada espécie tem seu papel específico no meio ambiente", explicou a médica veterinária Ana Cecília Lopes, do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA).

Parte dos pássaros não ganhou liberdade hoje porque precisou permanecer no centro de triagem da FPI para a devida reabilitação, a fim de que possa fortalecer a musculatura e, em seguida, ser introduzida à natureza. As gaiolas apreendidas são levadas para incineração.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia