Acompanhe nas redes sociais:

22 de Novembro de 2017

Outras Edições

Edição nº 947 / 2017

14/11/2017 - 10:50:18

Gerônimo Ciqueira ainda rende frutos à política alagoana

José Fernando Martins - [email protected]
Foto: Divulgação

Alagoas estava prestes a eleger seu primeiro deputado estadual deficiente físico nas eleições de 1998. Foi o que noticiou o EXTRA na edição publicada no dia 24 de setembro daquele ano. Gerônimo Ciqueira, à época, era presidente da Associação dos Deficientes Físicos de Alagoas (Adefal). Ele concorreu a uma vaga na Casa Tavares Bastos pelo PTB, mas acabou ficando de fora. Só iria conseguir um cargo eletivo na Câmara de Vereadores de Maceió nas eleições de 2004 pelo PSB. Em 2006, o salto foi maior. Se elegeu deputado federal pelo PFL, atual Democratas, tornando-se o primeiro deficiente físico do País a tomar posse na Câmara dos Deputados. 

Morreu um ano depois durante o exercício do mandato no dia 11 de março de 2007 em decorrência de uma pneumonia. Gerônimo da Adefal, como era conhecido, tinha 50 anos. Até hoje é considerado um impulso para que outros deficientes físicos se sintam encorajados a disputar um cargo na política. De lá para cá, outros nomes surgiram, inclusive sendo eleitos e reeleitos, como é o caso de uma das pupilas de Gerônimo, a deputada federal Rosinha da Adefal (Avante).

Rosinha elegeu-se para uma vaga na Câmara Municipal de Maceió em 2008, e dois anos depois foi eleita para o cargo de deputada federal pelo PTdoB. Na Câmara dos Deputados, presidiu em 2011, a Frente Parlamentar do Congresso Nacional em Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência. Disputou em 2014 a reeleição para o mandato, porém ficou como primeira suplente. Voltou ao cargo em Brasília, em 2016, após a licença de Marx Beltrão (PMDB), que assumiu o Ministério do Turismo.

“Durante minha trajetória de lutas, tive a oportunidade de conviver com pessoas maravilhosas, e Gerônimo Ciqueira foi uma delas. Um homem de garra, lutador e que muito me ensinou sobre os caminhos da militância em prol das pessoas com deficiência. Vale muito ressaltar a importância da própria representação. Sou deficiente desde muito pequena e, por isso, sei como são as dificuldades enfrentadas diariamente, em todas as fases da vida. Nosso país conta com deficientes que nos representam muito bem na política, daí a importância da legitimidade e da vivência perante as dificuldades. Claro, hoje temos muitas leis que ressaltam nossos direitos, mas ainda há muito para ser feito, pois poucas delas são de fato efetivadas”, declarou Rosinha ao EXTRA. 

ASSEMBLEIA

Atualmente, os deficientes de Alagoas contam com a deputada Thaise Guedes (PMDB) para representar a categoria na Assembleia Legislativa.  Antes de se tornar deputada, se candidatou a vereadora por Maceió pelo partido PSC, em 2008, sendo eleita como uma das mais jovens vereadoras do Brasil. Em 2010, concorreu a uma vaga na ALE, tornando-se a mais jovem parlamentar da Casa. Acabou sendo reeleita em 2014.

“Desde quando fui vítima de erro médico, ainda na adolescência, tive que me adaptar à nova realidade da minha vida, adequando as limitações ao meio em que vivo e trabalho. E, inserida no âmbito público-político, tenho atuado para que a inclusão social seja pauta o ano todo, onde os Poderes e sociedade possam discutir e aprimorar as políticas públicas praticadas, a fim de prepararmos melhor nosso estado para essa realidade”, disse Thaise.

“Além de sentir as dificuldades dia a dia, como representante do povo também me sinto na obrigação de lutar para garantir que seja de fato cumprida a Lei Brasileira da Inclusão, destinada a assegurar e promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e liberdades fundamentais da pessoa com deficiência, visando a sua inclusão social e cidadania”, complementou. 

NOVOS RUMOS

Já em 2015, o vereador João Luiz Rocha (DEM) deixou a Câmara Municipal de Maceió para assumir como deputado estadual, eleito nas eleições de 2014. Sendo assim, quem ficou com a cadeira foi o suplente Luiz Carlos da Adefal (DEM), o quarto deficiente físico a passar pela vereança na capital, que já tem planos para 2018: se tornar deputado estadual. 

Conforme publicado pela imprensa alagoana em outubro passado, Luiz Carlos, além dos votos em Maceió, também tem influência política no interior do estado por causa das lutas pelos direitos das pessoas com deficiência. Ele foi um dos fundadores da Adefal nos anos 80, entidade que é conhecida nacionalmente pelos trabalhos sociais.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia