Acompanhe nas redes sociais:

23 de Novembro de 2017

Outras Edições

Edição nº 918 / 2017

25/04/2017 - 10:25:20

Pedro Oliveira

Brasil indignado

Pedro Oliveira

BRASÍLIA - Mereceu destaque a decisão da ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, de convocar juízes federais para auxiliar na instrução dos processos da Lava Jato que tramitam naquela suprema corte. 

A medida visa impedir a prescrição de crimes praticados pelas autoridades que serão ou estão sendo processadas naquele tribunal.

A ministra também anunciou sua decisão de colocar na pauta de julgamento do Supremo processo que pode restringir o chamado foro privilegiado.

Há no ar uma indignação nacional diante da lama derramada nas delações fartamente divulgadas pela imprensa. Sentimos certo cheiro de inquietação na sociedade que se vê enganada durante anos por assaltantes do erário. E ai começam a surgir os focos de rebeldia de descontentes, a exemplo da depredação esta semana do prédio do Congresso Nacional. 

Estava em Brasília no dia da liberação da “lista do ministro Fachin” e estou de novo ao redigir esta coluna, exatamente uma semana depois. Passei nas duas casas legislativas (Câmara e Senado) e senti certo apavoramento preocupante de deputados e senadores. Conversei com um parlamentar de vários mandatos e que mantém sua reputação incólume que me dizia: “Aqui não se teme a Justiça, que é tão comprometida quanto a maioria dos acusados. A única coisa temida neste Congresso apodrecido é a voz das ruas e ela está fraca, acanhada, acovardada. Eles vão barganhar, tramar nas caladas da noite para que os bandidos sejam poupados. Ficarão soltos e continuarão ricos. Pensei até em renunciar ao meu mandato agora, mas não posso. Foi o povo que me conferiu. Mas não serei mais candidato a nada. Eles que fiquem com suas sujeiras”. O deputado que não revelo o nome, por motivos óbvios, é da bancada paulista, meu amigo há mais de 30 anos. 

Onde está o grito     das ruas?

O senador Telmário Mota (PTB-RR) defendeu a mobilização da sociedade para exigir a punição dos políticos envolvidos em irregularidades e corrupção. “Só assim será possível reverter o quadro de desconfiança em relação ao Congresso Nacional, que, a meu ver, tomou conta da sociedade brasileira”.

Para o senador, é inadmissível que alguns políticos deixem de lado os interesses da população e passem a defender os financiadores de campanha, especialmente as empresas.

Se nada for feito, alertou Telmário Mota, corre-se o risco de a anarquia prevalecer e tomar conta do país.

— Quando criança, eu, meu pai e minha mãe íamos de cavalo para poder votar, dar o voto. A gente ia assistir aos comícios. E era uma coisa muito nobre, a gente ver um deputado federal, um governador, uma pessoa dessa representando o povo brasileiro. E hoje, quando se abre, é senador discutindo valor de propina, é deputado discutindo valor de medida provisória. 

Também  corruptos

O senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) criticou os diretores da empreiteira Odebrecht, que fizeram delação premiada na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, acusando-os de se fazerem de vítimas quando na verdade foram os responsáveis pelo funcionamento da máquina da corrupção.

Ataídes Oliveira ressaltou o fato de que muitos políticos poderosos já foram desmascarados pela delação dos empresários, acrescentando que alguns deles estão presos e outros ainda irão para a cadeia. O senador também fez um desabafo: disse que sua geração fracassou e que agora os jovens terão a chance de mudar o cenário do país.

- Eu me sinto fracassado na minha geração, mas vocês, meus caros jovens, têm pela frente a oportunidade de construir uma nova geração, um novo Brasil, pautado pela ética, pela moral e pelos bons princípios - disse o senador.

Muito encrencados 

Em recente julgamento a Justiça Federal condenou os irmãos Joãozinho Pereira e Pauline Pereira, respectivamente prefeitos de Teotônio Vilela e Campo Alegre, por suposto crime praticado ao fraudar licitações no ano de 2005, quando o primeiro ocupava o cargo de prefeito e a irmã era secretária de Finanças. Quem teve acesso ao volumoso processo de julgamento não tem dúvida de que existem fartas e robustas provas para a condenação de ambos, embora não seja essa a visão dos condenados. Fazem pouco caso , mas têm uma bomba de efeito devastador em suas pernas, que se detonada acaba com seus sonhos e devaneios para as próximas eleições. Em tempos de caça aos maus políticos poucas apostas no sucesso da dupla.

Onde mora o perigo

Ao chegar a Teresina (PI), onde foi recebido por mais de mil jovens, em um verdadeiro empurra-empurra e com gritos de “Bolsonaro presidente”, o deputado federal Jair Bolsonaro disse que iria convidar o prefeito de Parnaíba, Mão Santa (Solidariedade), para ser candidato a vice-presidente em sua chapa.

“Gosto muito do Mão Santa. Enquanto senador, acompanhava seus pronunciamentos. Ele é uma pessoa maravilhosa e me convidou para conhecer sua cidade. Hoje, do que depender de mim, começará sim um namoro com o Mão Santa”, falou o pré-candidato à Presidência da República. Ele teve dificuldade de sair do aeroporto por causa da multidão e do empurra-empurra. Jair Bolsonaro foi para a área externa do estacionamento em cima de uma caminhonete, onde discursou. Em tempos de delações, acusações e condenações a qualidade institucional do país corre sério risco. É ai que mora o perigo.

Os melhores

Servindo de exemplo para os demais, três administradores de municípios da região Agreste se destacam e largam na frente com gestões morais e legais, além de forte dose de empreendedorismo e eficiência, cumprindo o papel que atende ao interesse público. Os destaques são para Eduardo Tavares (Traipu), Oliveiro Torres (Igaci) e Rogério Teófilo (Arapiraca). Se os demais se mirassem no trabalho desse trio, fazendo não apenas política e investindo seriamente em projetos técnicos competentes, os resultados seriam surpreendentes. No entorno desses municípios parece que os vizinhos preferem não estar preocupados. Querem mesmo é “rosetar”.    

CADA MANCADA do prefeito Júlio Cezar, de Palmeira dos Índios, fortalece a candidatura de James Ribeiro, seu antecessor, que está trocando o PMDB pelo PRTB, mas continua sob as bênçãos de Renan (pai e filho).

GOVERNADOR Renan Filho está sim de olho em 2018, mas ressalta que sua preocupação maior é com o agora. Alagoas não pode parar.

DEPUTADO Givaldo Carimbão, “condenado” pelo chefe da Igreja Católica alagoana, está perdido feito “cego em tiroteio”. Vai pagar caro.

HELOISA Helena sob fortíssima pressão para disputar as próximas eleições. Está refletindo ...refletindo...refletindo.

AEROPORTOS de Maragogi e Arapiraca garantidos. Palavras do ministro Maurício Quintella.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia