Acompanhe nas redes sociais:

24 de Novembro de 2017

Outras Edições

Edição nº 828 / 2015

08/07/2015 - 07:36:00

MEIO AMBIENTE

Carro movido a ar

O francês Guy Nègre e a empresa de tecnologia MDI trabalharam por duas décadas no desenvolvimento de um carro movido a partir de ar comprimido. Apelidado de AIRPod, o carro pode transportar até três pessoas, pesa apenas 217kg, chega a 80 km/h e o abastecimento pode ser feito em qualquer posto de combustível. De acordo com os fabricantes, a autonomia dele é de 128 quilômetros. O intuito é contribuir para melhorar a qualidade do ar e a mobilidade urbana. O carro deve ser comercializado a US$ 10 mil.

Havaí e energia renovável 

Um projeto de lei para tornar o Havaí o estado americano 100% dependente de energia limpa até 2045 foi aprovado na semana passada. Caso a lei entre em vigor, a eletricidade deverá ser gerada através de uma combinação de fontes renováveis: hidrelétrica, marinha, eólica, solar, biomassa e geotérmica. Atualmente, o Havaí importa aproximadamente 93% de toda sua energia, o que faz dele um dos lugares com tarifas elétricas mais caras dos Estados Unidos. 

Plástico verde

A Braskem, maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, e a Wickbold, uma das mais importantes empresas do país no segmento de pães integrais e sem conservantes, se uniram com um compromisso de inovação e sustentabilidade para empregar o plástico verde em embalagens de pães produzidos pela Wickbold. Os produtos vão contar com embalagens feitas de polietileno de cana-de-açúcar, matéria-prima 100% renovável. E os pães, com baixo teor de sódio e gordura e zero aditivo. O plástico verde da Braskem ainda captura e fixa gás carbônico da atmosfera, colaborando para a redução da emissão dos gases causadores do efeito estufa.


Extinção em massa

De acordo com a pesquisa feita por cientistas das universidades de Stanford, Princeton e Berkeley, a terra entrou em um novo período de extinção em massa e os humanos podem estar entre as primeiras vítimas. O último desses períodos ocorreu há 65 milhões de anos, quando os dinossauros foram extintos. Os vertebrados estão desaparecendo a uma taxa 114 vezes mais rápida que o normal e uma perda desta magnitude normalmente seria vista em um período de até 10 mil anos. O estudo cita como causas da extinção: mudança climática, poluição e desmatamento.


Ajuda financeira por mudança climática

Ministros e negociadores do Brasil, China, Índia e África do Sul manifestaram no começo da semana sua decepção porque os países ricos não foram capazes de manter o plano de ação que aumenta substantivamente seu apoio financeiro e compromisso de ajuda aos países pobres para combater o aquecimento global. Em 2010, os países desenvolvidos concordaram em mobilizar um grande montante para ajudar os países pobres a se adaptarem ao impacto da mudança climática e reduzir suas emissões poluentes. 

Ciclovia da Av. Paulista

Após a inauguração da ciclovia no canteiro central da Av. Paulista, a Prefeitura de São Paulo planeja fechá-la aos domingos, de 10 ás 17 horas, e liberar somente ambulâncias, viaturas de polícia, moradores e hóspedes de hotéis da região. Os moradores nos entornos estão insatisfeitos, mas o prefeito garante que eles chegarão mais rápido do que se tivesse carros nas pistas.


Lagoa Rodrigo de Freitas

O professor Paulo Cesar Rosman, integrante do Departamento de Recursos Hídricos e Meio Ambiente e de Engenharia Costeira e Oceanográfica da UFRJ, propõe a construção de grandes dutos subterrâneos, ligando a lagoa com o mar, para despoluir a Lagoa Rodrigo de Freitas até as Olimpíadas de 2016. Os dutos aumentam a troca de água e favorecem a oxigenação. O sistema seria composto por quatro tubulões subterrâneos, com 2,6 metros de diâmetro, se estendendo até 200 metros mar adentro, com valor estimado em US$ 30 milhões, sem utilização de bombas, usando apenas a maré para puxar e empurrar a água.


Desmatamento

A operação Mata Verde, realizada entre 30 de maio e 13 de junho, identificou 120 pontos de desmatamento ilegal, totalizando 7,8 mil hectares no extremo norte de Mato Grosso. Desse total, 30 pontos se referem a áreas não cadastradas e identificadas in loco, somando 2,7 mil hectares. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente constatou a veracidade das informações dos satélites e que maioria dos desmatamentos aconteceram para a abertura de pastagens para atividade de pecuária extensiva e à atividade madeireira. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia